Você também tem problemas para gerir o seu dinheiro? Se sim, saiba que não é o único. Desde muitos anos atrás, a população brasileira adquiriu péssimos hábitos financeiros, e, infelizmente, poupar é uma cultura que poucos têm por aqui.

Na verdade, quase ninguém cultiva esses maus hábitos por vontade própria. O grande problema é que eles já estão enraizados na nossa sociedade, e, para mudá-los de vez, será preciso algum esforço.

A parte boa dessa história é que muitas pessoas já estão adquirindo hábitos financeiros melhores e cultivando-os da maneira correta. E você, está preparado para mudar os seus maus costumes e colocar ordem nas suas finanças? Então, acompanhe a leitura para entender tudo sobre os principais hábitos financeiros do povo brasileiro!

Como é a educação financeira no Brasil?

De acordo com uma pesquisa desenvolvida pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA), 85% das pessoas no Brasil têm consciência de que guardar dinheiro para emergências é importante. Apesar da significativa conscientização, 52% da população ainda não tem nenhum tipo de reserva financeira para despesas inesperadas.

Essa mudança nos hábitos financeiros da população brasileira se deu, principalmente, devido à crise econômica pela qual o país passou nos últimos anos. Em meio a um cenário de escassez de dinheiro, desemprego, inflação alta e endividamento, as pessoas se viram forçadas a evitar (ou ao menos reduzir) o consumo e o gasto com itens considerados supérfluos.

Além disso, o Brasil ainda está longe de ser uma referência em termos de hábitos financeiros saudáveis. De acordo com dados da pesquisa S&P Ratings Services Global Financial Survey, o nosso país se encontra em 74° lugar no quesito educação financeira. Esse dado revela o quanto nós estamos atrasados, e não precisamos ir muito fundo para entender o porquê de estarmos tão mal ranqueados.

Ao longo do tempo, os brasileiros adquiriram o costume de gastar e não poupar. Com isso, a maioria acaba gastando mais do que ganha e, consequentemente, perde poder financeiro no mercado. Sem dinheiro para guardar e com dívidas cada vez maiores, essas pessoas não conseguem realizar investimentos adequadamente e simplesmente vivem para quitar seus débitos.

Quais são os principais hábitos financeiros dos brasileiros?

Não é novidade que cada pessoa tem seus hábitos financeiros e sua maneira de lidar com o dinheiro, mas como a população brasileira se comporta de maneira geral? Todas as informações a seguir, você pode obter no relatório completo da ANBIMA sobre a trajetória financeira do brasileiro. Confira:

Estatísticas de investimento

Atualmente, 40% das pessoas afirmam que têm compromisso de poupar dinheiro por mês, nem que seja uma pequena quantia. No outro extremo, 22% da população brasileira não consegue poupar absolutamente nada, já que tudo o que ganham por mês já está comprometido com despesas e gastos pessoais.

Os 21% mais controlados da população entendem que poupar para o futuro é um compromisso. As pessoas inseridas nesse grupo reservam uma determinada parte das suas receitas para investir assim que o dinheiro cai na conta.

Há, ainda, o grupo dos que não se preocupam em poupar dinheiro. Essas pessoas representam 13% da população e alegam que preferem viver o presente do que economizar para o futuro. São os famosos “imediatistas”.

Por fim, 4% dos entrevistados alegam que não adianta poupar pequenas quantidades, pois são necessárias grandes quantias para conseguirem realizar seus sonhos.

Expectativa para o futuro

Quando questionados em relação à expectativa para o futuro, a resposta mais recebida pela pesquisa (35%) foi: “Vivo a minha vida passo a passo, sempre construindo o dia de amanhã”.

Em segundo lugar (26%), estão as pessoas que planejam todos os passos, com metas claramente estabelecidas para os anos seguintes.

Há, ainda, a turma que vive um dia após o outro e luta para chegar ao mês seguinte sem a conta no vermelho. Nesse grupo, se enquadram 19% dos brasileiros. Há, também, os sonhadores, 12% da população, que estão dispostos a abrir mão do imediatismo em prol de alguma realização futura muito almejada.

Dos entrevistados, somente 8% se mostraram identificados com a afirmação: “Deixo a vida me levar, não penso muito no futuro”.

Perfil da população

A respeito do perfil da população, podemos dizer que 30% dos brasileiros são “construtores”, que crescem devagar e sempre; são realistas, perseverantes e lutam pelas suas conquistas e objetivos, dia após dia.

Em segundo lugar, está o grupo considerado “camaleão”, que representa 29% da população. As pessoas desse grupo vivem na base do improviso, lutam para chegar ao fim do mês, utilizam crédito pessoal para pagar contas e estão sempre “se virando nos 30” para se adaptar às circunstâncias.

Das pessoas que responderam à pesquisa, 22% se consideram “planejadores” e estão sempre calculando suas metas de crescimento. Quem se enquadra nesse grupo está sempre atento às oportunidades, investe constantemente, tem objetivos racionais e busca sempre maximizar os recursos.

Os “despreocupados” compõem 11% da população brasileira. Os hábitos financeiros deles não são dos mais saudáveis. Uma vez que estão mais abertos ao fluxo da vida, suas conquistas acontecem ao acaso e eles estão sempre à espera da melhora, mas pouco fazem para alcançá-la.

Por fim, 6% dos brasileiros são os “sonhadores”. Essas pessoas são conduzidas e motivadas pelo futuro, têm bastante expectativa emocional acerca dos próximos anos e, na maioria das vezes, precisam de grandes valores para agir.

Os 2% restantes não se enquadram em nenhum dos outros grupos.

Como a consciência financeira pode ajudar na gestão das suas finanças?

Se o nosso país não desenvolveu hábitos financeiros saudáveis ao longo do tempo, obviamente, o culpado não é você. Entretanto, ter consciência financeira é uma questão de escolha.

Você pode optar por permanecer da forma que está, sem se preocupar com a organização das suas finanças, ou pode escolher mudar e passar a cuidar melhor do seu dinheiro. Para sua sorte, a mudança está mais fácil do que nunca.

A cada dia, surgem mais formas de você se conscientizar a respeito do tema. Exemplo disso, são os apps de controle financeiro, que são uma maneira extremamente eficaz para a conscientização financeira, ainda que simples.

Além disso, o auxílio profissional está cada vez mais difundido e é uma excelente forma para melhorar os hábitos financeiros dos brasileiros e tornar a população mais propensa a investir e gerir melhor as finanças pessoais.

Ao longo do artigo, você pôde entender o quanto o Brasil está atrasado em termos de educação financeira perante o mundo e, mais do que isso, o quanto desenvolver hábitos financeiros saudáveis é importante. Uma nação economicamente educada, com certeza, será próspera e terá níveis reduzidos de pobreza.

Então, a lição que fica é simples: os hábitos financeiros adquiridos ao longo do tempo tendem a ficar enraizados na sociedade. Pais que não são poupadores dificilmente terão filhos poupadores. Felizmente, aos poucos, essa realidade está mudando, e a população brasileira (ainda que uma pequena parte) está engajada e determinada em mudar esse paradigma.

Você está comprometido em fazer parte da mudança? Então, compartilhe este artigo nas suas redes sociais e ajude seus amigos a transformarem seus hábitos financeiros!