O investimento sempre foi uma forma de aumentar a renda pessoal ou familiar. Neste post, você irá descobrir o que é investimento, como ele funciona e quais os principais tipos de aplicações. Agora, quando aparecer uma boa oportunidade de investir o seu dinheiro, você não deixará escapar, não é mesmo?

O que é investimento?

Investimento é o nome dado a qualquer aplicação em dinheiro que visa a um retorno financeiro.

De modo geral, todo dinheiro que é aplicado buscando algum tipo de melhoria (na vida pessoal, na vida profissional, dentro de casa ou na empresa) é considerado investimento.

Para ser investimento, tem que proporcionar algum retorno. Não se investe sem essa finalidade.

Como funciona?

O investimento mais comum funciona de forma similar a um empréstimo. Seu dinheiro será emprestado ao banco, a alguma empresa ou ao próprio governo e em troca eles te pagarão juros por essa dívida. Esse tipo de investimento é conhecido como renda fixa.

Já o investimento em renda variável,como é o caso das ações, o investidor adquire uma parte da empresa, tornando-se acionista e recebe dividendos (lucros) proporcionais à quantidade de ações compradas.

O que é preciso para investir?

O maior mito em investimentos é que se precisa de muito dinheiro para começar. Saiba que com apenas R$ 30,00 no bolso já se pode investir em títulos do Tesouro Direto, que tem rendimento bem acima da poupança, o investimento mais tradicional dos brasileiros.

Vamos mostrar qual o processo para começar a investir, começando por detalhar os tipos de investimento, explicando como descobrir o seu perfil de investidor e contando sobre as vantagens de se investir.

Quais os tipos de investimento?

Podemos dividir os investimentos em, basicamente, 2 tipos:

  • Renda fixa;
  • Renda variável.

Os investimentos de renda fixa são aqueles que oferecem riscos mais controlados, podendo ter rendimento prefixados (predefinido na hora da compra) e pós-fixados (o investidor não sabe quanto vai ganhar). Eles envolvem:

  • Poupança;
  • Tesouro Direto (Tesouro Selic, Tesouro IPCA, Tesouro Prefixado);
  • CDB (Certificado de Depósito Bancário);
  • RDB (Recibo de Depósito Bancário);
  • LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio);
  • LC (Letra de Câmbio);
  • debêntures;
  • COE (Certificado de Operações Estruturadas);
  • fundos de investimento.

A renda variável ao contrário da renda fixa, não tem rendimento garantido. Os principais tipos de renda variável são:

  • ações;
  • fundos de ações;
  • fundos imobiliários;
  • fundos multimercado;
  • derivativos;
  • ETFs (fundos que são negociados como ações na bolsa de valores);
  • derivativos (contratos com rendimentos baseados em determinados ativos);
  • COE;
  • câmbio (negociação com moedas estrangeiras);
  • ouro.

Como descobrir o seu perfil de investidor?

Agora que você já sabe o que é investimento, está na hora de descobrir o seu perfil de investidor.

O perfil conservador

Trata-se do investidor que não está disposto a correr muitos riscos. Leva a sério o provérbio que diz: “É melhor ter um passarinho na mão que dois voando”. Ele prefere uma rentabilidade menor em um investimento mais seguro que a possibilidade de grandes rendimentos em investimentos arriscados.

Pessoas que necessitem resgatar o dinheiro em um período mais curto devem adotar esse perfil, sendo a renda fixa o tipo de investimento mais apropriado.

O perfil moderado

É o perfil com mais capacidade de diversificar, por não precisar de todo o dinheiro com resgate imediato e por ser capaz de suportar as oscilações da renda variável para uma parcela moderada do seu patrimônio.

O perfil agressivo

Trata-se do investidor que não teme correr riscos e investe a maior parte de seu capital em renda variável. O que ele deseja mesmo é ter bons lucros no longo prazo, mesmo que sofra perdas momentâneas com essa postura.

Quais são as vantagens de investir?

As principais vantagens de investir são:

  • a possibilidade de aumentar sua renda;
  • o dinheiro “trabalha” pelo investidor;
  • apoio de plataformas especializadas ou da gestão de profissionais especializados (fundos de investimento);
  • a existência de investimentos que exigem pouco capital inicial;
  • a variedade de opções;
  • a existência dos fundos de investimento, os quais permitem diluir os riscos em uma carteira com diferentes investimentos;
  • o investimento bem feito pode ser uma forma eficaz de driblar as crises econômicas.

Quais são os cuidados que os investimentos exigem?

Existem 4 fatores muito importantes ao avaliar um investimento:

  1. Prazo
  2. Impostos
  3. Proteção de crédito
  4. Custos

Todo investidor deve avaliar sempre o prazo da aplicação. Há casos em que é preciso esperar até o vencimento para sacar os recursos e outros, em que o investidor pode retirar seu dinheiro pedindo o resgate ou vendendo a aplicação para outro investidor.

Outro cuidado ao se investir é avaliar a incidência dos impostos sobre os rendimentos. Os mais comuns são o Imposto de Renda (IR) e o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). O Imposto de Renda incide de forma regressiva, quanto maior o prazo do investimento, menor será a alíquota de imposto sobre os rendimentos. Já o IOF incide nos primeiros 30 dias da aplicação, com isenção após esse período.

Investidores conservadores devem dar preferência para produtos que têm proteção de crédito do FGC (Fundo Garantidor de Crédito). O FGC cobre as eventuais perdas em títulos emitidos por instituições financeiras até o limite de R$ 250.000, em caso de inadimplência, insolvência e/ou recuperação judicial do emissor.

Além dos fatores acima, podem incidir sobre as aplicações taxas e custos específicos de cada produto, como acontece com as taxas de custódia de ações e renda fixa, em que a instituição custodiante cobra um valor para “guardar” seus investimentos. Outro custo comum é a taxa de administração cobrada pelos fundos de investimento, esse valor é descontado do rendimento do produto a título de remuneração do gestor e administrador do fundo.

Os cuidados com as ações

Quem investe em ações tem que tomar muito cuidado para saber o momento certo de passá-las adiante e não ter prejuízos. Na hora de escolher suas ações, é importante fazer uma análise, considerando o histórico de cada empresa.

A melhor recomendação para investir é diversificar, não concentrar todo o dinheiro somente em uma aplicação. Ao diversificar, eventuais perdas num produto serão compensadas pelos ganhos de outras fontes.

Agora que você já sabe o que é investimento e como essa proposta funciona, aproveite e comece a investir hoje mesmo! Conheça também a Plano de Vida, uma plataforma especializada em gestão financeira.